Jamila Mafra
Site Oficial da Autora
CapaCapa Meu Diário TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
17/07/2018 12h01
A Rosa das Sete Cores

Disponível na Amazon: 
https://www.amazon.com.br/Rosa-Das-Sete-Cores-ebook/dp/B07DTDVVDM?qid=1531836938&refinements=p_27%3AJamila+Mafra&sr=1-12&text=Jamila+Mafra&ref=sr_1_12

Dedicatória

Para minha querida avó Maria, mulher que ama as flores e a natureza, queme ensinou a cuidar do meio ambiente e amar o nosso belo planeta Terra.
Parte 1
Jardim da Vovó Maria 

    Karina vivia em uma casa muito grande com suas irmãs e avós. Lá havia um belo jardim com todo tipo flores e plantas em vasos de todos os tamanhos, as flores mais lindas eram as caliandras de cor lilás. Havia também muitas árvores no quintal, dentre elas um pé de pitanga, pequenos pés de arvorezinhas nos canteiros e rosas que eram cultivadas pela vovó Maria.
    Lá existia ainda uma árvore especial entre todas, ficava no fundo do quintal, tinhas mais ou menos dois metros de altura e florzinhas roxinhas agrupadas em cachinhos com sementes de bagos amarelos e verdes. A vovó Maria era baixinha e muito bonitinha, parecia uma boneca e amava muito as flores e suas netinhas. Todos os dias ela cuidava do jardim e regava as plantas.
    Karina sempre brincava no jardim com suas amiguinhas Tati e Sara, elas fingiam que eram fadas encantadas e vestiam as camisolas longas e floridas da mamãe que pareciam vestidos de fadas, corriam pelo jardim e por todo o quintal.
      Elas eram muito sonhadoras e acreditavam que todos os desejos poderiam ser realizados.
    Certo dia, em uma manhã ensolarada, Karina, Tati e Sara começaram a brincar de novo no jardim, elas fingiam que eram fadas encantadas. Enfeitaram a cabeça com flores e correram bastante pelo quintal.
    Aquele foi um dia muito divertido. Depois de brincarem muito, elas foram almoçar uma comida bem gostosa da vovó Maria, em seguida descansaram.
     Karina, Tati e Sara decidiram passear pelo jardim vestindo suas roupas normais, elas se aproximaram daquela árvore especial de florzinhas roxas agrupadas em cachinhos com sementes amarelas e verdes que pareciam frutinhas.
 Tranquilamente elas conversavam quando de repente, como se houvesse algo mágico, elas foram parar em outro mundo, caíram em um túnel de flores amarelas e folhas verdes.


 


Publicado por Jamila Mafra em 17/07/2018 às 12h01
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
17/07/2018 11h59
A Luz das Estrelas - Romance na Amazon

A Luz das Estrelas - eBook Kindle disponível na Amazon
https://lnkd.in/eZVTRES

PRAÇA DOS ANDRADAS
 

 
Passear pelas praças da cidade de Santos era como voltar ao passado, reviver a história de maneira única e emocionante. Era por isso que Ana Lucia Vasconcelos amava tanto aquele lugar. A Praça dos Andradas era a sua favorita, o piso de mosaico português e a iluminação dos trinta e quatro postes duplos eram o cenário perfeito para aquela noite especial.
Sentada no banco de madeira, por entre as duas pequenas alamedas abertas para facilitar a circulação das pessoas, ela aguardava ansiosa a chegada de Gabriel, rapaz com quem flertava já há algum tempo. Era um lance, uma daquelas paixões que talvez pudesse se tornar amor. O encontro foi marcado por ele às pressas, no dia anterior.
As pessoas transitavam quase sem olhar para os lados, mecanicamente, acostumadas com a paisagem ao redor, algumas sentadas nos bancos, mas para Ana Lucia toda a beleza de sua cidade natal nunca a cansava.
Ansiosa, ela não parava de olhar o relógio, estava certa de que Gabriel a pediria em namoro. Mesmo estando ela de partida para os Estados Unidos da América, tinha certeza de que poderia sustentar um relacionamento à distância. Ana Lucia só queria um amor.
Tudo que envolvesse estrelas, planetas, o universo a encantava de tal maneira que aos treze anos de idade comprou seu primeiro telescópio para observar os astros no céu.
Ficou órfã de pai e mãe aos quinze anos de idade e acostumou-se com a vida solitária na bela cidade de Santos. Morou na casa de sua prima Alice, trabalhou como babá, garçonete e aprendeu a falar inglês fluentemente. Algumas paixões passaram por sua vida, mas não para ficar.
O relógio marcava exatamente vinte horas quando enfim ele apareceu. Ana Lucia levantou-se do banco, ele se aproximou e ela sorriu tão sinceramente como nunca antes.
— Gabriel, que bom que chegou. Está atrasado. Quase me mata de ansiedade.
— Desculpe a demora. Hoje fiquei até mais tarde no trabalho, o movimento na loja foi intenso, maior que o de costume.
— Tudo bem. Não tem problema.
— Eu preciso muito falar com você, Ana Lucia. É importante. Não pode passar desta noite.
— Então fale, estou aqui pra te ouvir.
— Eu gosto muito de você, é uma garota inteligente, adora observar os astros, as estrelas, conseguiu uma bolsa pra estudar astronomia nos Estados Unidos... Você merece seguir seu destino e ser feliz fazendo o que você tanto ama.
— Espera, eu já sei onde você está querendo chegar. Entendo... pelo seu tom de voz está querendo me dizer que não vai ficar comigo porque eu vou embora para os Estados Unidos e você não quer um relacionamento à distância. Mas pense bem, pode até dar certo, mesmo que a gente esteja tão longe um do outro. Se a gente se ama, podemos pelo menos tentar.
— Ana Lucia, eu sinto muito, mas não é nada disso. Eu não te amo!
— O quê?
— É, eu não te amo.
— Explica isso melhor, porque eu nunca esperei que você me amasse. Ainda estamos nos conhecendo – ela disse sem entender.
— Eu sei que você nunca vai me perdoar, eu sinto muito pelo que eu vou te dizer agora, mas eu preciso dizer a verdade. Eu já tenho namorada. Eu estou noivo!
— O quê? Que absurdo é esse que você está me dizendo? Como assim você já tem namorada e está noivo?
— Eu errei. Eu sei que nós saímos juntos várias vezes, flertamos, achei você uma mulher muito interessante, você é maravilhosa, mas infelizmente eu não posso ter mais nada com você, eu vou me casar com outra mulher. – Gabriel sentenciou da maneira mais cruel.
Ana Lucia sentiu uma rápida tontura, mal podia acreditar nas palavras rudes e pavorosas que acabara de sair da boca do rapaz que acreditava que pudesse ser seu grande amor.
— Gabriel, por que você fez isso comigo? Como você pode estar noivo de outra mulher se você ficou comigo? Nós saímos juntos várias vezes, você me deu carinho, nós namoramos! Eu me apaixonei por você! Como você pode ter outra mulher? Me explica!
— Eu sei, eu fui um covarde, eu errei. Mas estou aqui enquanto ainda há tempo pra te dizer que você deve seguir seu caminho em paz. Vá para os Estados Unidos realizar seu sonho e seja feliz.
— Sim, é claro que eu vou. Eu não preciso de você! Quer saber de uma coisa? Eu te odeio, eu te odeio! E a sua noiva sabe que você namora outras mulheres?
— Não, não sabe!
— Você não presta! Por que me iludiu?
— Eu não resisti. Você é uma garota tão linda, inteligente, fascinante. Mas eu amo a minha noiva, é com ela que eu quero ficar.
— Então fica com ela e me deixa em paz! – ela disse gritando. Estava trêmula de raiva e não parava de chorar.
Ana Lucia saiu às pressas dali. Ele correu atrás dela.
— Espera, Ana Lucia! Você está muito nervosa. Eu te levo para casa de carro. – Gabriel pegou-a pelo braço.
— Me larga! Fica longe de mim! Eu não quero a sua piedade. Eu vou pra minha casa sozinha. Eu tenho nojo de você. Você me fez ser sua amante. Eu nunca fui tão humilhada em toda a minha vida. Saia da minha frente. Não quero te ver nunca mais. Sai! – ela gritou desnorteada.
Ela saiu dali correndo. Correu como nunca. Seguiu para a Ponta da Praia do Gonzaga. Foi direito para a areia onde, ajoelhada, chorou ainda mais, lamentou seu destino e lançou ao mar a pulseira que Gabriel lhe deu de presente no segundo encontro que tiveram.


 


Publicado por Jamila Mafra em 17/07/2018 às 11h59
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
21/05/2018 09h05
Cidades do Futuro. Ano 2500. Prólogo. Admirável Velho Mundo. Ficção Científica. Scifi Cyberpunk

Meu novo livro de ficção científica Cidades do Futuro já está disponível na Amazon: https://lnkd.in/dJGGvwH
     
           Nebulosa Marylin nasceu no planeta Terra no ano de 2481 d. C, na megalópole São Paulo. Era uma jovem solitária e órfã de pai justamente no momento em que os homens eram escassos no mundo, naquele século pouco mais de oitenta por cento da população mundial era composta por mulheres.  
            A maior parte dos meninos concebidos era de natimortos, até mesmo aqueles gerados artificialmente, nas incubadoras chamadas de vitros de gestação, não sobreviviam. A princípio não havia uma causa biológica nem científica conhecida que explicasse este fato, mas a ciência procurava incansavelmente uma resposta para tal fenômeno que intrigava toda a humanidade.
            Olhar para o passado e perceber como a Terra um dia foi bela era mais que uma tristeza para Nebulosa, era como não querer estar no presente e nem presenciar o que a realidade se tornou. No coração dela as lembranças boas machucavam mais do que as ruins.
            A convivência cotidiana entre seres humanos e robôs humanoides com alto nível de consciência confundia os sentimentos, os androides eram seres tão reais, como poderiam ser apenas máquinas? Principalmente ao se tratar de androides masculinos perante o exército de mulheres solitárias.
           Nem mesmo a avançadíssima tecnologia podia suprir a falta dos recursos naturais que deixava as megalópoles tão cinzas. Todas as ruas e casas sem árvores, sem plantas, sem animais domésticos, a radioatividade vinda dos vazamentos de usinas nucleares e das bombas atômicas dos séculos anteriores destruíram os ecossistemas, a fauna e a flora, de modo que somente os moradores muito ricos das cidades ecológicos tinham acesso, embora restrito, aos bens biológicos como plantas, animais e alimentos naturais, tudo reproduzido em pouca quantidade em laboratórios caríssimos.
                O velho mundo era mesmo admirável, suas lembranças faziam Nebulosa Marylin desejar ter nascido no passado onde a natureza não era apenas hologramas, onde seres vivos não eram apenas máquinas, a não ser pelo fato de nos séculos anteriores os animais terem sido mortos em larga escala para serem consumidos, pois no século XXV já não havia mais animais, nem mesmo em quantidade mínima, pra servirem de alimentos aos humanos. Vegetais sintetizados eram tudo que restou.

JM JAMILA MAFRA


Publicado por Jamila Mafra em 21/05/2018 às 09h05
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
18/05/2018 08h02
O Astronauta do Século XXX. Uma Viagem Através do Espaço-Tempo. Ficção Científica. Contato Alienígena

Meu novo livro de ficção científica O Astronauta do Século XXX. Uma Viagem Através do Espaço-Tempo já está na Amazon.  https://lnkd.in/da3zpRz

#livronacional #scifi #viagemnotempo #AstronautadoSéculoXXX #Amazon #leitores #ficçãocientífica #contatoalienígena #juvenil #Astronauta #romance #JaneEllen #EricTheo #autoranacional #escrever #mulherqueescrevescifi #Amordeoutroplaneta #elamaoastronauta #leitura 


Publicado por Jamila Mafra em 18/05/2018 às 08h02
 
18/05/2018 07h47
Cidades do Futuro. Ano 2500. Ficção Científica. Scifi Cyberpunk. Disponível na Amazon

Meu novo livro de ficção científica Cidades do Futuro já está disponível na Amazon: https://lnkd.in/dJGGvwH

#Scifi #cyberpunk #futuro #robôs #robots #androides #CidadesdoFuturo #Ano2500 #Distopia #Mulherdofuturo #Nebulosa #carrosvoadores #livro #literaturanacional #livronacional #leitura #l#leitores #ler #mulherqueescrevescifi #natureza #radioatividade #escrever #kindle #Amazon #books #future #sciencefiction #bomdia #humanidade #tecnologia #hightech #altatecnologia #cérebros #futurismo #luzesdigitais  


Publicado por Jamila Mafra em 18/05/2018 às 07h47
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 4 de 6 1 2 3 4 5 6 [«anterior] [próxima»]